Já ouviu falar de TDAH?

By

Um dos transtornos mais comuns entre crianças e adolescentes encaminhados para serviços especializados é o TDAH. Em alguns casos, o transtorno acompanha o indivíduo na vida adulta, embora os sintomas de inquietude sejam mais brandos. Ocorre em 3 a 5% das crianças, em várias regiões diferentes do mundo. 

O que é TDAH?

Segundo o site  https://tdah.org.br, o TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade) é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e frequentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Ele se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. É chamado às vezes de DDA (Distúrbio do Déficit de Atenção).

Sintomas

Os sintomas de TDAH são:

  • Deixar de prestar atenção a detalhes ou cometer erros por descuido em atividades escolares, de trabalho ou durante outras atividades.
  • Ter dificuldade de manter a atenção para executar as tarefas ou atividades.
  • Não escutar quando lhe dirigem a palavra.
  • Não seguir instruções e não terminar deveres de casa, tarefas domésticas ou tarefas no local de trabalho.
  • Evitar, não gostar ou relutar em se envolver em tarefas que exijam esforço mental prolongado (tarefas escolares, deveres de casa, preparo de relatórios, etc).
  • Ser facilmente distraído por estímulos externos (para adolescentes mais velhos e adultos pode incluir pensamentos não relacionados).
  • Ser esquecido em relação a atividades cotidianas, escolares, de trabalho ou durante outras atividades.
  • Ter dificuldade de manter a atenção em tarefas ou atividades lúdicas.
  • Perder objetos necessários às tarefas ou atividades.
  • Remexer ou batucar mãos e pés ou se contorcer na cadeira.
  • Levantar da cadeira em situações nas quais se espera que o indivíduo permaneça sentado (sala de aula, escritório, etc).
  • Correr ou subir nas coisas em situações onde isso é inapropriado ou, em adolescentes ou adultos, ter sensações de inquietude.
  • Ser incapaz de brincar ou se envolver em atividades de lazer calmamente.
  • Não conseguir ou se sentir confortável em ficar parado por muito tempo, em restaurantes, reuniões, etc.
  • Falar demais.
  • Não conseguir aguardar a vez de falar, respondendo uma pergunta antes que seja terminada ou completando a frase dos outros.
  • Ter dificuldade de esperar a sua vez.
  • Interromper ou se intrometer em conversas e atividades, tentar assumir o controle do que os outros estão fazendo ou usar coisas dos outros sem pedir.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico é sempre clínico e os sintomas devem manifestar-se na infância, antes dos sete anos, pelo menos em dois ambientes diferentes (casa e escola, por exemplo), durante seis meses, no mínimo. Os sintomas também são responsáveis por desajustes e alterações comportamentais que dificultam o relacionamento e a performance dos portadores nas mais diversas situações.

Leave a Comment

Your email address will not be published.

You may also like