O que é alergia alimentar?

By

A alergia alimentar é uma reação do sistema imunológico que ocorre logo após a ingestão de algum alimento ao qual o indivíduo encontra-se previamente sensibilizado. Mesmo uma pequena quantidade do alimento que provoca alergia pode desencadear sinais e sintomas graves. Em alguns casos, a alergia alimentar pode causar uma reação com risco de vida, conhecida como anafilaxia.

Estima-se que um quinto da população possui reações adversas aos alimentos, mas a verdadeira prevalência de alergias alimentares varia entre 3 e 4% na população em geral.

Por que a alergia acontece?

A alergia, de modo geral, ocorre quando o corpo tem uma reação “exagerada” à substâncias inofensivas para a maioria das pessoas, como o pólen, o metal, alguns produtos químicos, determinados alimentos, entre outros.

Nesse caso, quando o organismo entra em contato com o alérgeno, produz uma grande quantidade de anticorpos conhecidos como imunoglobulina E (IgE), causando uma hipersensibilidade e provocando sintomas, tais como coceira, inchaço, corrimento nasal, dor abdominal, entre outros.

Quais são os alimentos que mais causam alergia?

Entre os alimentos mais envolvidos encontramos: ovo, peixe, farinha de trigo, leite de vaca, soja e crustáceos. As reações graves (anafiláticas) estão, na maior parte das vezes, relacionadas à ingestão de crustáceos, leite de vaca, amendoim, e nozes.

Choque anafilático

No choque anafilático, a liberação maciça das substâncias alérgicas, principalmente da histamina e da bradicinina, provoca uma dilatação de vasos em todo o corpo, gerando queda da pressão arterial, edema e dificultando o funcionamento do coração. Na glote, o edema provoca a obstrução do fluxo para os pulmões, gerando dificuldade respiratória.

No restante do corpo, essa reação prejudica a oxigenação dos tecidos, inclusive do cérebro, gerando vertigens e síncope. Devido à gravidade, essa reação é súbita e fatal se não tratada imediatamente.

Diagnóstico

Quando existe a suspeita de uma alergia alimentar se procede inicialmente com uma boa história clínica, chamada de anamnese. Esta anamnese deve ser extensa, minuciosa, procurando estabelecer correlação entre a ingestão do alimento e o surgimento de sintomas.

O alimento suspeito deve se sobressair nesta história causando sintomas em todas as vezes que foi ingerido, independente da quantidade. O tempo de aparecimento de sintomas após a ingestão e o tempo de melhora com ou sem tratamento são outras informações importantes a se considerar.

O básico no tratamento da alergia alimentar é a exclusão do alimento suspeito e no caso deste ser muito importante na dieta do paciente, a substituição por outros alimentos de igual valor nutricional.

Na orientação dos familiares e pacientes adolescentes é que o profissional médico enfatize a importância da leitura de rótulos e oriente a identificação de nomes que possam corresponder ao alimento desencadeante das manifestações clínicas.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0